quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Do Tempo VIII - O final de um Ciclo


Não, não irei falar do fim do mundo.
Apesar de ter colocado o calendário Maya, o que desejo simbolizar é o final dos ciclos. Todos nós, se olharmos para o passado, podemos reparar que a nossa vida foi vivida através de ciclos, fases ou momentos. Se olharmos para o presente vamos ver que estamos a viver um mas se olharmos para o futuro podemos ver o final a aproximar-se ou muito distante ainda.

À medida que vou escrevendo cada página da minha tese eu dou mais um passo em direcção ao final de um ciclo. O meu mundo irá mudar mal eu entregue a tese e receba o diploma e, para ser sincero, gostava que esse dia estivesse mais longe. Não porque esteja com receio do dia da apresentação, ou com medo de resultados. Sei o que fiz e sei a qualidade do que fiz. Apenas estou, como dizem os ingleses com - cold feet - ou seja, estou ansioso e receoso quanto ao novo ciclo que irá começar. 

Estranho sentir estas coisas quando a minha ansiedade não passa pelo medo do desemprego ou das dificuldades. Nem tenho medo da responsabilidade do mundo do trabalho, pois já trabalhei na minha área - investigação - durante uns tempos enquanto estudava. Apenas a ideia de um ciclo a acabar me deixa nervoso. Talvez seja a hipótese de ter de sair de Portugal, pois eu gostaria muito de ficar por terras lusitanas. Virão tempos confusos mal receba o diploma, tempos em que terei de fazer escolhas e essas escolhas irão definir o percurso que a minha vida irá tomar. 
                   Acho que a resposta reside nesse mesmo problema - Escolhas...

Recebi um Email de um programa Doutoral, no estrangeiro. É apenas um de muitos mas fiquei a ponderar muito neste assunto - No que irei fazer a seguir. Tudo parecia tão certo e fácil até o ciclo estar a acabar. Desde a nível de carreira como a nível pessoal, o que escolher a seguir irá definir a minha vida. O doutoramento que escolher, por exemplo, irá definir - ainda mais - a minha especialidade. O local em que decidir seguir a minha vida profissional irá definir a minha vida pessoa futura. Os meus desejos de criar família, por exemplo, poderão ficar 'suspensos' ou poderão começar fora de Portugal, algo que nunca pensei ou coloquei a hipótese.  Algo estranho de se pensar quando nem sequer namorada tenho.. mas acredito que se tivesse uma, nesta altura, a escolha seria mais fácil pois não iria depender só de mim. A minha vida profissional sempre ficará em segundo plano quanto a família e Amor, mas neste momento é o único plano que tenho (a família vai bem!! e, como disse, não tenho companheira). Logo o peso da escolha cai sobre mim e a minha decisão irá afectar o meu percurso e futuro.

Coloco um grande peso nas escolhas pois sei a importância das suas consequências. Passei um tempo de preparação até agora, tanto pessoal, profissional e até espiritual. Agora chegou a hora do exame final e apensa desejo, quando a hora chegar, fazer a escolha certa. 




O blog chegou hoje às 3000 visitas...muito obrigado!!




12 comentários:

  1. Irás fazer a escolha certa, João. Tenho a certeza que sim :)Qualquer que seja a escolha!

    Mesmo quando escolhes carregar nos ombros o peso das escolhas. - daaahhhh!!! é a minha faceta "orelha de elefante" a falar!! ... não ligues (muito), sabes que te envio bem querer, não sabes?

    Beijinhos, relaxa...
    Vai correr bem a tua vida :)
    Tenho a certeza :)

    Carla

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Envias bem querer..sei..não ligo (pouco) :D

      Relaxar..não tenho tempo para relaxar, daqui a uns dias penso nisso

      Beijinhos

      Eliminar
  2. Estamos os dois numa situação idêntica... Também não sei como vai ser quando acabar a bolsa de investigação, não sei se vou ou não ficar por cá, para que "tipo" de empresas/projectos é que me vou virar..

    Mas vou andando e vendo... O tempo resolve tudo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre situações complicadas estas dos "finais de ciclos" . AS incertezas sobre o futuro mas mais o peso da escolha se isso for também o teu caso.

      O tempo resolve tudo mas cabe nós dar os passos certos, pois o tempo, se deixado ao acaso, resolve as coisas à maneira dele ;)

      Eliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  4. Deves ser das únicas pessoas que hoje em dia dizem que "A minha vida profissional sempre ficará em segundo plano quanto a família e Amor". A outra sou eu. E sinceramente isso custa-me horrores, porque estou cheia d e medo que no futuro o meu companheiro não pense assim. Não me sinto minimamente capaz de ir para outro país (acho que é mais falta de coragem que outra coisa mas...)

    Também estou nos últimos cartuchos do meu relatório de estágio, e apesar de estar a começar mestrado estou como tu: o que fazer a seguir. E sinto-me tão perdida como uma barata.

    Finalmente ganhei coragem de comentar o teu blog :) É muito bom ler alguém tão correcto e tão humano como tu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado por comentares :) Achei curioso o facto de dizeres que foi preciso ganhar coragem para comentar o blog. :)

      Sabes, ir para o estrangeiro está a ficar cada vez mais uma realidade para mim, apesar de eu não querer. Sabes o que é estas á espera que algo apareça e te prenda andes que tomes a decisão? É nesse ponto que ando... a adiar à espera que algo me prenda.
      Também tenho algum receio de ir para o estrangeiro mas está muito ligado ao facto de sair da minha zona de conforto - ir lá para fora seria como começar do zero.

      Espero ver-te mais vezes por aqui :)

      Eliminar
    2. Nem mais. Eu também gosto muito da minha zona de conforto, quando comecei o estágio pensei que me ia dar uma coisinha má xD Agora só de pensar em entrevistas de emprego fico sem ar. Acredito que é só os primeiros tempos, mas mesmo assim custa imenso pensar.

      Percebo-te perfeitamente. Quando tenho de tomar decisões mais sérias também arrasto, porque fico sempre à espera que a resposta me chegue dessa maneira: ou algo me vai preder ou vou ter um luzinha que me dirá o que é mais indicado.
      A luzinha nunca a vi e arranjo muitos vezes maneiras de me prender (o que não é bom). Espero que a luzinha te apareça :) O que tiver de ser será, e aposto que será o melhor.

      (Quanto à coragem... Pois. É a sensação de "Meu Deus, já não ha ninguém tão humano que só vou dizer asneira" xD)

      Eliminar
    3. É estranho chegar a um ponto onde a "faca e o queijo" são colocados em nossas mãos e nós é que temos de decidir. Faz parte do nosso crescimento mas, como é o nosso caso (?), não há muito que nos prenda neste momento - a família deseja que a gente ganhe asas e saia do ninho, não existe uma relação a condicionar os nossos movimentos (para o estrangeiro por exemplo), e a nível profissional é isso que estamos a decidir. É complicado quando está tudo nas nossas mãos e nós desejamos tomar a melhor decisão possível - aquela que nos irá dar o melhor futuro e proporcionar a criação de bases para uma família.

      (Carreira por carreira a decisão já estaria tomada)

      (não te preocupes com as asneiras porque eu também as devo dizer xD)

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Obrigado pela correcção. Confesso que na altura nem olhei à imagem que coloquei, no entanto o texto não fala em nada relacionado com esse calendário por isso a exactidão histórica da imagem - com o texto em si - é pouco relevante para obrigar a uma alteração do conteúdo. No entanto, fica a nota e, de novo, obrigado pela correcção.

      Eliminar

Os comentários são revistos antes de serem publicados. Desta forma eu posso evitar que o blog seja vitima de SPAM.